Ernest Huet

Ernest Huet – O Homem Que “Inventou” a Libras

Ernest Huet, chamado também de Eduard Huet, tem uma imensa importância para a comunidade surda brasileira.

Foram muitos os benefícios que ele proporcionou para os surdos brasileiros. Para saber quais são eles e conhecer a história desse grande educador, confira nosso artigo.

Afinal, quem foi Ernest Huet?

Nascido em 1822, em Paris, Ernest Huet pertencia a uma família da nobreza na França.

Por esse motivo, ele sempre teve acesso à melhor educação da época. Ainda adolescente, Huet falava português e alemão (além do francês).

Com a idade de apenas 12 anos, Ernest teve sarampo e, devido a essa enfermidade, acabou ficando surdo.

Mesmo depois de apresentar surdez, ele conseguiu aprender espanhol e começou a estudar no Instituto Nacional de Surdos de Paris.

Após muitos anos de comprometimento com os estudos, Huet conquistou a formação de professor.

Depois disso, enquanto atuava na França, ele recebeu o cargo de diretor do Instituto de Surdos de Bourges.

Por conta do excelente trabalho desenvolvido, Huet obteve grande prestígio e reconhecimento.

Em 1851, o professor Ernest Huet se casou com a alemã Catalina Brodeke.

Pelo fato de ser membro da nobreza francesa, Huet tinha o título de Conde.

Por esse motivo e devido ao notável trabalho na área de educação de surdos, em 1855 Huet mudou-se para a Corte de Portugal no Brasil.

A mudança de Huet, acompanhado de sua esposa Catalina, aconteceu graças a um convite feito pelo Imperador Dom Pedro II.

O objetivo do Imperador consistia em fundar um instituto que atendesse as pessoas surdas no Brasil.

Outro dos objetivos do imperador era que Huet, por ter imensa experiência nessa área, aceitasse estar à frente dessa importante instituição.

Criação da primeira escola para surdos no Brasil

Ernest Huet

Após a mudança de Ernest Huet para o Brasil, mais precisamente para a cidade do Rio de Janeiro, ele dedicou-se ainda mais aos estudos.

Em grande parte, devido à dedicação de Huet, em 1857, no dia 26 de setembro, foi fundado na cidade do Rio de Janeiro, o Imperial Instituto Nacional de Surdos-Mudos.

A maior incumbência de Ernest Huet era ensinar e aplicar a metodologia para a educação de surdos que era adotada na Europa, sobretudo na França.

Nos primeiros anos, o instituto atendia apenas meninos. No entanto, com o passar do tempo, as meninas também passaram a ser atendidas.

Atualmente, a escola fundada por Huet tem o nome de Instituto Nacional de Educação dos Surdos – INES.

O que esse instituto faz?

A missão bem cumprida de Ernest Huet é observada em cada atividade realizada pelo INES.

Hoje em dia, esse instituto é considerado como a maior referência no que diz respeito ao ensino de surdos, oferecendo também diversas atividades de alta relevância.

Vinculado ao Ministério da Educação, o INES atua na produção, desenvolvimento e divulgação de conhecimentos tecnológicos e científicos relacionados à surdez.

Atuante em todo Brasil, esse instituto disponibiliza assessoria técnica nas áreas de:

– Informática;

– Prevenção à surdez;

– Fonoaudiologia;

– Cidadania;

– Orientação profissional;

– Prevenção às drogas;

– Orientação familiar;

– Libras (Língua Brasileira de Sinais);

– Biblioteca infantil;

– Artes;

– Audiologia.

A inclusão social e o INES

Criado por Ernest Huet, atualmente o INES atua com ações de inclusão social determinantes na vida dos surdos brasileiros.

Uma delas é o Curso de Língua Brasileira de Sinais, que é disponibilizado de maneira totalmente gratuita pelo INES.

Esse curso é oferecido semestralmente, sendo dividido em 5 módulos.

Todo conteúdo é indicado para todas as pessoas que tenham interesse em aprender Libras.

Entretanto, esse curso é ainda mais recomendado para membros da família de crianças surdas, professores em formação ou que já atuam na rede pública de ensino e também profissionais de empresas públicas e privadas.

Graças ao ensino e divulgação da Libras é possível promover a inclusão social de pessoas surdas em diferentes áreas.

Quais as competências do INES?

Conforme a legislação brasileira, esse instituto exerce as seguintes competências:

1 – Incentivar o conhecimento quanto aos problemas existentes na sociedade, principalmente no que diz respeito às questões nacionais e regionais.

2 – Estimular os trabalhos de investigação e pesquisa no campo científico.

3 – Disponibilizar atendimento educacional para alunos surdos, em parceria com a Secretaria de Educação Especial.

4 – Estimular criações culturais, fortalecer o espírito científico e favorecer o pensamento reflexivo.

5 – Divulgar conhecimentos técnicos, culturais e científicos.

6 – Elaborar e divulgar estudos e pesquisas na área de prevenção da surdez e avaliar os métodos e técnicas aplicadas no desenvolvimento de recursos didáticos com o objetivo de melhorar a qualidade do atendimento à pessoa surda.

7 – Favorecer o aperfeiçoamento profissional e cultural.

8 – Auxiliar na formulação da Política Nacional de Educação na área de surdez.

9 – Definir um intercâmbio entre as organizações e associações educacionais do Brasil com o intuito de incentivar a integração das pessoas com surdez.

10 – Elaborar programas de reabilitação, pesquisa de mercado de trabalho e encaminhamento profissional com o intuito de possibilitar o acesso das pessoas surdas às oportunidades.

11 – Atuar no preparo de profissionais bilíngues com diversas competências (científica, técnica, política e social).

12 – Disponibilizar formação em diversas áreas de conhecimento, fazendo que os diplomados se tornem aptos para serem inseridos em setores profissionais.

13 – Elaborar e promover programas de capacitação de recursos humanos na área de surdez.

14 – Desenvolver constantes ações para resgatar a imagem social das pessoas com surdez.

15 – Elaborar programas de intercâmbio de conhecimentos, inovações e inovações na área de educação de alunos surdos.

16 – Estimular a educação de alunos surdos por meio da manutenção de órgão de educação básica com o objetivo de assegurar o atendimento educacional e a preparação para o mercado de trabalho.

17 – Divulgar as conquistas e benefícios oriundos da criação cultural e da pesquisa científica e tecnológica que são criadas na instituição.

18 – Atuar na produção de material didático-pedagógico para o ensino de alunos surdos.

Além de saber quem foi Ernest Huet e a importância do trabalho dele para os surdos brasileiros, confira nossos demais conteúdos com temas de grande relevância para a comunidade surda.

Imagens: tvines.org.br / vejario.abril.com.br

Comentários

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *